Archive for the ‘Uncategorized’ Category

Red Light Sparkle

maio 4, 2012

You don’t have to change the color of your hair;

You don’t have to take the dress that you wear.

You don’t have to be afraid, just ‘cause I’m scared;

You just have to be here and leave your past there.

 

C’mon and shine, shine on me red light.

 

You can make parties and lie to your soul;

You can make phone calls and ask me to hold on;

We can make the world believe in our lies;

But you can’t look at me and lie to my eyes.

 

Go on and shine, shine on me red light.

 

You don’t have to stay, If you don’t care

You don’t have to hide what you wanna share

You don’t need to be good when people are bad 

You don’t want to live a feeling that is dead

 

Get up and shine, shine on Red Light

 

 

 

I was born on the south side, not supposed to feel cold

I’m still searching your red light, to feel warm once more. 

 

 

Go on and shine, shine on me red light

C’mon and shine, shine on me red light

Get up and shine, shine on red light

Bright on the night, shine on me red light.Image

Maragato

abril 15, 2012

Tantos olhos brancos, tantos olhos que miram sem parar.

 

Olhos atentos, desesperados, nojentos, desabrigados, secos de tanto observar.

 

Alta fidelidade, alta resolução, “agadê”, parabólico, virtual, analógico, digital.

 

Cópia, plágio, xerox, fotocópia, scanner, matriz, manual.

 

Monogamico, polivalente, bipolar, unilateral, tetra campeão.

 

 

Um par de olhos vermelhos, algo vermelho no olhar.

 

Olhos sedentos, violentos, violados pela luz vermelha no ar.

 

Autoestima, autoconfiança, vermelho em todo lugar.

 

Obra, canção, romance, razão, para, pensa, paga pra ver, pede pra ficar.

 

Fidelidade, pé no chão, ansiedade, socialismo, segunda divisão.

 

 

 

Vamos jogar?

Procura-se traficante.

dezembro 24, 2010

A: O que tu quer?

B: Tudo.

A: Tu não pode ter tudo. Na verdade, tu não quer nada.

B: Ok, eu não quero nada. Eu tenho tudo.

A: Não tem amor.

B: Amor é químico; Aspirina, também.

A: Se fosse químico, tu não tava nessa merda.

B: Se amor não fosse uma merda, eu não precisaria de tanta química.

A: Tu não precisa de química.

B: Preciso do que, então?

A: Precisa amar.

B: Não amo ninguém.

A: Mentira. Só fala de amor.

B: Da falta de amor.

A: Viu? Não é química! Tu precisa.

B: É química. E eu preciso dessa quimíca, então.

A: E porque tu não procura?

B: Porque esse traficante não existe.

Vamos.

julho 7, 2010

Vamos viver, vamos jogar

Toda sorte que ganhamos nesse jogo de azar

Vamos correr, vamos caminhar

E então ficar parados sem continuar

Vamos combater, vamos lutar

No fim de tudo vamos nos entregar

Vamos fugir, Vamos escapar

E esperar parados no mesmo lugar

Por respostas que não vão chegar

Vamos dizer, vamos gritar

Quando então unidos vamos silenciar

Vamos promover vamos propagar

Eu quero  proteger pra depois apagar

Memórias que nós  não queremos lembrar


Vamos mentir que é fácil de achar

Quando na verdade nunca vamos encontrar

Vamos ferir, vamos machucar

Vamos jogar fora, pra depois amar

Dizer que tudo isso vai passar

Vamos nascer, só pra planejar

O que vamos fazer quando a  morte chegar

Vamos aprender, mas nunca aceitar

Que a gente só aprende depois de errar

Sempre parece que eu errei.

Ponte Aérea.

maio 29, 2010

Quando você chegar

Lembre que eu vivo no mesmo lugar

Você não sabe  o quanto eu fiquei

Esperando você me ligar

Não sei falar francês

Mas  já fiz tanta coisa pra te impressionar

Já fui bandido e já fui heroi

Viajei do asfalto até o mar

Quando você voltar

Me chame pra sair, pra me libertar

Sei que você pensa em me ver

Mas não tem coragem de falar

Errei, mais de uma vez

Mas quem vive essa vida com medo de errar

Quantas vezes eu te procurei

E encontrei alguém no meu lugar

Eu tenho tanto pra dizer

Pra quem não quer me escutar

Eu vou parar de me esconder

Eu vou viver

Quando você chegar

Eu quero o que não posso ter

Até já cansei de esperar

Vou cantar para o mundo ouvir

Não vou desistir

Quando você voltar

Muda.

abril 3, 2010

B: Oi!!!

A: Oi!

B: Tudo bem?

A: Tudo. E tu?

B: Tudo ótimo.

A: Que anda fazendo?

B: Muita coisa!

A: Tudo o que queria?

B: Nem tudo.

A: O que falta?

B: Amor.

A: Estamos na mesma.

B: Não, não estamos.

A: Mesmo?

B: Eu tenho o amor que você quer.

A: Eu também tenho amor pra te dar.

B: Tem o amor que preciso, não o que quero.

A: E como é o amor que tu quer?

B: Aquele que você não tem.

A: E se eu conseguir?

B: Não vai.

A: Vou.

B: Você não sabe o que eu preciso!

A: Tu sabe o que eu preciso?

B: Pergunte a você mesmo.

Eu sei.

março 25, 2010

A: De onde paramos?

B: Nunca paramos.

A: Conversas repetitivas…

B: Vida repetitiva.

A: Cadê voce?

B: No mesmo lugar.

A: Quem é você?

B: A mesma pessoa.

A: Eu cansei.

B: Do quê? Nem começamos.

A: Temos algo pra começar?

B: Para. Já acabamos com isso.

A: Acabamos com o quê?

B: Com o encanto.

A: Perdeu encanto?

B: Se transformou em nostalgia.

A: Você não me pergunta nada, nunca.

B: Cadê voce?

A: Te procurando.

B: Quem é você?

A: Não sei.


É claro – que tá tudo escuro.

março 18, 2010

Algo me diz que perdemos algo.  Pode ser que não seja nada demais. Pode ser que seja a coisa mais importante do mundo. Não faz diferença.

A coisa mais importante do mundo, não é nada demais.

Você acha que o amor é tudo na vida e, de repente, vê que não sabe nadar.

É, você não sabe nadar. E se o avião cair no mar? O amor vai te salvar? Não, a natação vai te salvar. E se você escorregar na piscina? E se o barco afundar? E se um tsunami atingir a tua praia?

Eu tô nadando contra a corrente.

A: Bons amigos?

B: Mais do que amigos.

A: Menos do que amantes.

B: Menos drama.

A: Mais amor.

B: Mais paciência.

A: Menos indecisão.

B: Menos…

A: Menos?

B: Mais.

A: Agora?

B: Depois…

A: Depois vai ser diferente.

B: Se depois fosse óbvio, você não estaria aqui.

A:  E se eu for embora?

B: Não seja tão óbvio.

I don’t call to say I love you.

março 14, 2010

Eu tenho medo de telefone. Pra falar a verdade, eu tenho pavor de telefone.

Não que o aparelho me deixe assustado; eu tenho medo é de falar.

Eu tenho tanto medo, que não gosto de receber ligação.

Eu não tenho conta, não atendo o telefone de casa, mando dizer que não to. Eu não falo direito nem com meus pais.

Não consigo explicar quando isso começou, nem o porquê.

Eu não consigo ligar, eu não consigo atender. E, provavelmente, eu nunca mais ligarei pra ninguém.

Eu e o telefone:

– Aceleração da frequência cardíaca ou sensação de batimento desconfortável;
– Sudorese difusa ou localizada (mãos ou pés);
– Tremores finos nas mãos ou extremidades ou difusos em todo o corpo;
– Sensação de sufocação ou dificuldade de respirar;
– Sensação de desmaio iminente;
– Dor ou desconforto no peito (o me leva a acreditar que estou tendo um ataque cardíaco);
– Náusea ou desconforto abdominal;
– Tonteiras, instabilidade sensação de estar com a cabeça leve, ou vazia;
– Despersonalização ou desrezalização;
– Medo de enlouquecer ou de perder o controle de si mesmo;
– Alterações das sensações táteis como sensação de dormências ou formigamento pelo corpo;
– Enrubescimento ou ondas de calor, calafrios pelo corpo;

– Medo de morrer.

Não ligo pra isso.

Não tô ligado nas novidades.

Não liguei os pontos.

Não liga pra isso.

Não me liga.

B: Oi!!!

A: Oi, que bom que tu ligou! ¿Que pasa?

B: Nada demais, liguei pra dizer que eu to com saudade.

A: Hmmm, legal. Que bom, que bom…

B: E aí? O que você anda fazendo.

A: O de sempre.

B: Tava ouvindo a sua música favorita…

A: Todo dia eu mudo minha música favorita.

B: Ok…

A: Terminei de ver o filme…

B: Gostou?

A: Não. Olha, eu não gosto de telefone…

B: Você não está falando com o telefone; está falando comigo!

A: Tu só fala comigo na merda do telefone!

B: Essa pessoa que VOCÊ acha que sou, só existe na merda da SUA cabeça!

A: Posso desligar a minha cabeça, então?

B: Deixa pra lá…

A: “Pela enésima vez, vamos recomeçar tudo outra vez”

B: Isso não é seu.

A: O mundo também não é.

B: Me liga quando você decidir o que quer…

A: É tu quem não sabe o que quer!

B: Mas sei o que não quero.

A: Eu não quero mais falar, eu não quero mais nada…

B: Isso é o que eu não quero. Eu decido, você não.

A: Eu sonho.

B: Vai sonhando, enquanto eu vivo.

Ela disse “Adeus”.

março 14, 2010
: Adeus.

Ela disse “Adeus”.

“Adeus”, logo na primeira conversa. Vai entender o que eu não entendo…Vai, volta. Oi, tchau. Fica, vai. Volta.

B: Teu perfume é bom.

A: Eu também acho, mas não escolhi. Foi minha mãe que me deu.

B: Esse é o melhor perfume que existe!

A: Ao menos, ela acertou.

B: Não sai de mim…

A: Bom, pelo menos o perfume…

B: Você também não…

A: Sério?

B: Não sei. Você sabe como eu sou, avisei desde o começo.

A: Mas tu começou dizendo “Adeus”.

B: Sim, e você não entendeu.

A: Então, porque me chama?

B: Já te falei: sou assim!

A: E eu? Como eu fico?

B: Você não é obrigado a nada…

A: Vou embora.

B: Não. Fica mais um pouco.

A: Pra quê?

B: Eu quero! Eu quero!

A: Mas amanhã não vai querer.

B: Amanhã não importa.

A: E se importar?

B: Adeus.

: Adeus.